EX-ARM – A primeira impressão de um anime ruim!

 EX-ARM – A primeira impressão de um anime ruim!

Bem.. vou começar esse artigo dizendo que apostava no anime EX-ARM. De acordo com alguns relatos que estarei trazendo extraídos do site ANN.

Durante o Anime Expo Lite em julho, a Crunchyroll anunciou três novos títulos que acompanha o selo “Originals” da empresa. Entre eles a obra EX-ARM. Na época, tudo o que sabíamos sobre o anime EX-ARM era que era uma adaptação de um mangá cyberpunk, gênero que sempre me encanta seja em filmes ou séries de TV.

Mas as coisas ficaram mais estranhas com essa obra.

Crunchyroll EX-ARM
Nesse ponto tudo bem.. Certo?

No final de agosto, foi revelado os nomes do diretor, escritor, compositor musical e estúdio de animação. São eles:

  • Diretor: Yoshikatsu Kimura
  • Escritor: Tommy Morton
  • Música: Sō Kimura
  • Animation Studio: Visual Flight

Segundo o artigo publicado no site ANN relacionado a equipe, nenhum deles já trabalhou em anime antes.

Yoshikatsu Kimura fez seu nome escrevendo e dirigindo programas de televisão ao vivo. Tommy Morton é provavelmente um pseudônimo. Sō Kimura é um professor de guitarra que trabalha como DJ à noite. Mais tarde, anunciaram o nome do diretor de ação, Takahiro Ouchi. E assim como os outros, ele não tem experiência em animação, com seus laços mais próximos com anime sendo seu trabalho de dublê nos dois primeiros filmes live-action de Rurouni Kenshin.

Pois bem! isso nos leva ao estúdio Visual Flight. O único projeto do tipo anime do qual eles fizeram parte foi a criação de uma demo de dança bizarra em Unity. E seus créditos parecem incluir apenas trabalho de modelagem para Sekiro: Shadows Die Twice.

Voltando no evento Crunchyroll Expo, o diretor Kimura e o dublador Sōma Saitō apareceram em um painel para dar aos fãs a chance de aprender mais sobre a próxima série, incluindo o motivo pelo qual ninguém na equipe havia trabalhado no anime antes.

De acordo com Kimura, ele foi convidado para dirigir a série porque a equipe sentiu que um diretor de live-action seria capaz de entender melhor o espaço 3D. E ao invés de trabalhar com um estúdio de anime, ele escolheu criar a obra EX-ARM como se fosse um de seus próprios trabalhos de live-action. O foco seria encenar as cenas com atores em trajes de captura de movimento e então aplicar isso aos modelos de personagens. Desta forma, Kimura afirmou que a obra seria “extremamente realista” e que os fãs poderiam esperar por cenas de ação nunca vistas antes em anime.

Confira o ‘trailer’ com seus próprios olhos:

ANIMAÇÃO RUIM DE EX-ARM:

EX-ARM é ruim. Ou seja, vergonhosamente criticado pela sua qualidade da animação, servindo como estudo de caso no qual não se deve fazer num processo de animação 3D.

Apesar de estar bem ciente do fato de que diretores de live action raramente dirigem anime, o diretor Yoshikatsu Kimura afirmou: “Tenho experiência como diretor, então decidi tentar”.

OPINIÕES DE OUTROS DIRETORES EXPERIÊNTES:

O artigo original desse texto cita um exemplo de um diretor de live-action encarregado de um anime. Psycho-Pass de 2011, liderado por Katsuyuki Motohiro. No entanto, neste caso, ele foi auxiliado pelo codiretor Naoyoshi Shiotani, um veterano animador principal. Isso ocorre porque, para ser um diretor de anime, você precisa ter um entendimento de animação, mas Kimura tinha pouco interesse nas capacidades artísticas do meio, ao invés disso, optou por focar na câmera e no trabalho de captura de movimento.

O diretor do BEASTARS, Shinichi Matsumi, “A captura de movimentos é o primeiro passo. E ajustamos o movimento para parecer mais com anime. ” Esta é uma maneira de capturar o tempo realístico e o movimento básico, mas precisa de um trabalho adicional de animação de quadro-chave para fazer esses elementos funcionarem e parecerem atraentes em anime. Na Square Enix Visual Works, eles alertam contra o uso de captura de movimento como uma muleta, e o movimento estranho do EX-ARM é a prova. Embora a equipe de criação do programa seja perfeitamente capaz de dirigir atores em um estúdio de captura de movimentos, eles claramente não tinham ideia do que fazer uma vez que esses movimentos foram mapeados em modelos 3D.

GRAVIDADE DE EX-ARM:

A ação que desafia a gravidade a que ele se refere como um mérito do meio é talvez a pior parte deste ‘trailer’; tudo parece bobo e sem peso. Em EX-ARM, Alma é uma androide sem emoções, mas isso parece ter resultado do fato de a equipe não ter se incomodado em mover o rosto dela. O mesmo parece ser verdade para a empregada com quem ela luta. Seu cabelo raramente parece se mover de maneira adequada: ele muda quando ela corre, mas quando ela vira de cabeça para baixo, parece estático – certamente não a animação “extremamente realista” que nos foi prometida.

E, ao contrário da maioria dos animes em 3D, todo o ‘trailer’ é cheio de borrões de movimento, apesar de Kimura afirmar que “cada quadro é importante”.

Por fim é difícil criticar a equipe de animação da Visual Flight, porque eles foram solicitados a lidar com algo fora de seu forte. Mas de alguma forma, nem os produtores da Crunchyroll nem o próprio diretor pareceram notar seu erro até agora.

As lições do EX-ARM são claras e óbvias: Anime é melhor produzido por aqueles que entendem e respeitam a animação. E se você, leitor, já entendeu isso, então parabéns. Você teria sido um diretor melhor do EX-ARM.

Texto traduzido e retirado do site ANN.

Rafael Shinzo

Rafael Shinzo

https://animenew.com.br/

Apaixonado pela cultura Japonesa, criei esse blog em 2009 para trazer artigos atualizados sobre Animes e Mangás.